Feeds:
Posts
Comentários

Archive for the ‘Noticias’ Category

El dilema del marketing político y electoral es  si sus funciones, como herramientas de apoyo a las organizaciones políticas  y a los candidatos, en las campañas electorales, esta  ayudando a la consolidación de la democracia de estas  naciones latinoamericanas que han hecho del sistema democrático representativo su modelo para organizar las elecciones y para  organizar y desarrollar el modelo de sociedad a que aspiran.  

Es evidente que a través del marketing político las naciones consiguen  poner en práctica técnicas que ayudan a las organizaciones políticas a conquistar importantes segmentos del electorado, sin embargo existe un gran dilema  porque hay  quienes entienden  que el marketing electoral en vez de ayudar a  la consolidación  de las instituciones democráticas lo que contribuye, en cambio, es a su debilitamiento, en  la medida   que este  sólo busca vender un producto( candidato), sin ocuparse de  los problemas mas relevantes que afectan al electorado. Con el agravante de que no ofrece soluciones permanentes a los problemas de la gente, sino  soluciones coyunturales en el periodo de campaña, y se afirma que de esa manera el marketing político  contribuye al deterioro de las creencias  que los electores deben tener en el sistema democrático Se aduce que en la medida que el marketing político sólo se ocupa de vender  al candidato y descuida  las soluciones  permanentes que demanda el electorado, para que se le de respuesta a sus necesidades materiales, ello no ayuda a fortalecer las  instituciones democráticas. Por eso hay quienes se hacen la siguiente pregunta: ¿Ayuda el marketing electoral a que el electorado consiga soluciones  permanentes a  muchos de sus problemas que lo agobian, o por el contrario éste es  sólo una  herramienta  que ayuda al posicionamiento y crecimiento de un candidato, sin tomar en cuenta las soluciones reales que éste puede aportar a las demandas sociales y económicas de los electores?  Quienes entienden  que el marketing electoral no responde  afirmativamente a la pregunta anterior,  consideran que esta situación da  origen a un problema ético, ya que si el fin del marketing político  es ayudar  al crecimiento de las instituciones democráticas y ha fortalecer los procesos electorales, en la medida que este no se ocupe de los problemas  y necesidades recurrentes del electorado, de esa forma debilita el proceso social y democrático que  esta llamado a fortalecer a través de las  elecciones. Conviene que en esta parte digamos cuáles son los alcances y funciones del marketing político y electoral, como forma de que los lectores puedan tener una visión que los ayude a comprender las funciones de uno y otro al interior de las campañas electorales, en este aspecto “el marketing político debe entenderse como el conjunto de técnicas empleadas para influir en las actitudes y conductas ciudadana a favor de grupos, ideas, programas y actuaciones de organismos o personas determinadas que detentan el poder, intentan mantenerlo o consolidarlo o esperan conseguirlo”.

 En cuanto a los alcances y a la función que desempeña el marketing electoral al interior de los procesos electorales el mismo esta referido a  la difusión de una serie  de mensajes que contribuyen al posicionamiento del candidato en las simpatías del electorado como forma de ayudar al crecimiento y avance de ese candidato en sus objetivos  de poder.

 El marketing electoral es una derivación del marketing político y lo podemos definir de la manera siguiente:”el marketing electoral se refiere  con exclusividad  al planteamiento, realización y difusión de unos determinados mensajes con la ocasión de la puesta en marcha de procesos electorales,

 para designar el gobierno de una determinada comunidad política, se trata por tanto de una variante especifica del marketing político”.

 Vista estas dos definiciones sobre  marketing,  conviene que digamos  que el aspecto  ético  de las campañas electorales  lo encontramos  en el hecho de que por una parte  las elecciones deben ser para que las instituciones democráticas  se fortalezcan  y hagan una costumbre  el ejercicio democrático del voto  para elegir a los gobernantes, sin embargo cuando en los procesos electorales  sus principales actores y protagonistas  asumen que los mismos  no tienen diferencias  con los procesos de  compras y ventas de productos que ocurren  diariamente en un mercado de bienes y servicios, ello se traduce  en falta de ética en el comportamiento de los principales  actores que protagonizan el proceso de campaña,.

 Cuando se concibe  y se asume el ejercicio político y electoral  con esa visión por parte de las organizaciones políticas  y el electorado, dándole  connotación   a la campaña electoral  y al proceso político de ser un mercado, que no tiene diferencia  con un mercado  de compras y ventas de bienes y servicios, desconocimiento, de esa forma, las aspiraciones de las gentes y sus valores socioculturales, en esas condiciones  las campañas electorales en vez de ser procesos que ayudan al crecimiento de las instituciones y  al arraigo de  las practicas democráticas, se convierten, por el contrario, en procesos que retrazan  el avance  político  e institucional de las naciones, por esa razón cuando eso ocurre  los procesos electorales  están faltando a su compromiso ético, que es ayudar  al crecimiento  de la democracia y a la gente., ya que sin el apoyo de esta ultima es imposible impulsar y fortalecer, desde una perspectiva global, el proceso político democrático de una nación.

Por eso la gran limitación que confrontan las campañas electorales la encontramos en el hecho de que cuando se mercadea un producto  el comprador  esta comprando un objeto inanimado, sin embargo cuando se compra la voluntad de una personas, para que vote por un candidato, ese  producto, que es la voluntad del elector, tiene sentimientos y creencias  y como a ese elector sus creencias y sentimientos le dicen que sus necesidades y aspiraciones deben ser resueltas, sin embargo si  ello no ocurre, como lo había pronosticado el marketing  electoral, entonces se genera una situación de insatisfacción por parte del electorado, por esa razón al equiparar al elector  con un producto, como lo hace el marketing electoral en el proceso de campaña, ello se traduce en un problemas  de carácter ético, ya que, desde esa óptica, a los electores se les trata como una mercancía , desconociendo con ese comportamiento que  tantos  los votantes, como  los demás sectores sociales que conforman la población sólo tienen derechos  que son tomados en cuenta en la coyuntura de la campaña electoral, desconociendo de esa manera que los electores al no ser objetos, sino personas con aspiraciones  y necesidades  latentes necesitan de soluciones permanentes  a sus problemas materiales y comunitarios.

 Cuando el candidato y la organización política se auxilian del marketing electoral para  vender  y proyectar sus objetivos de poder, estos buscan ayuda entre  los principales actores del proceso de campaña, sin embargo hay un sector que es indispensable para ganar las elecciones, ese sector es el electorado, por ello lo mas conveniente es que el candidato este focalizado en las aspiraciones de ese sector, antes y después de ganar las elecciones, ya que si éste desconoce  el rol del electorado, para poner  y quitar gobiernos,  y asume un comportamiento de desconocimiento  de este como el principal artífice de su triunfo, ello da origen a un descreimiento de la voluntad colectiva de los ciudadanos votantes en las autoridades elegidas, y ello cuando se convierte en una practica reiterada en los procesos electorales da origen  a la perdida de legitimidad de las autoridades electas y de los procesos de campañas .

 Cuando los procesos  son viciados porque  los principales actores del proceso electoral asumen  que este es un mercado  de compra y venta del voto, de esa forma  el proceso político representativo va cayendo  en la falta de apoyo por parte de la población votante  y esa falta de apoyo va disminuyendo los  niveles de legitimidad, tanto de las autoridades  elegidas  como de las instituciones que sirven de soporte al sistema político, por ello el marketing  político debe jugar su rol de ser  una herramienta que ayuda al candidato a ganar  las elecciones, y no una herramienta útil para que las organizaciones políticas y los principales protagonistas del proceso electoral la utilicen sólo como trampolín para alcanzar el poder, sin asumir una actitud de compromiso frente al electorado y frente a la sociedad y sus  instituciones representativas.  

 Por esa razón, cuando las campañas electorales  toman el lugar de un mercado de bienes y servicios,  ese tipo de comportamiento, tanto de la clase política que la patrocina  y de la población votante  que la acepta,  es destructivo para la democracia, por eso el mismo debe ser eliminado de los procesos de campaña, como condición necesaria  para fortalecer las instituciones económicas, políticas y sociales; ese debe ser el  primer paso para fortalecer  la democracia y la conciencia ciudadana del electorado.

 De manera que si en una campaña  electoral el marketing político trata de vender un  producto  (en este caso un candidato)  que no tiene posibilidad de satisfacer las necesidades y aspiraciones de los votantes, cuando eso ocurre  se hace un flaco servicio  al fortalecimiento  de las instituciones representativas  que sirven de soporte a la democracia y al sistema político que sirve de sostén a la convivencia ciudadana.

educationandfamily@hotmail.com 

Read Full Post »

São Paulo – Em um encontro que ocorreu na tarde de hoje em São Paulo, representantes do PT e do PSDB apresentaram ideias consonantes sobre as eleições deste ano. É que não se tratava de um debate eleitoral, mas uma conversa sobre a influência da internet e das redes sociais na campanha política. Marcelo Branco, estrategista da campanha digital de Dilma Rousseff (PT), e Sérgio Caruso, coordenador de comunicação digital de José Serra (PSDB), estão de acordo: as novas tecnologias de comunicação são um fator importante na campanha, porém não determinam o resultado de uma eleição.

A discussão, que ocorreu durante o Info@trends, contou com a participação de Gil Castilho, diretora da Associação Brasileira de Consultores Políticos (ABCOP), que considera a rede mundial de computadores uma grande ferramenta de mobilização. “A internet não é determinante para a vitória de um ou outro candidato, mas serve como um grande espaço para a militância”, disse. Ela afirmou que o uso irresponsável de sites como o Twitter, por exemplo, pode manchar a imagem de um político, mas que isso não é exclusividade da web. Como exemplos de erros na rede de microblogs, ela citou candidatos que discutem publicamente com eleitores ou aqueles que fazem afirmações e depois apagam os tweets por se arrependerem. “Costumo dizer que ‘tu te tornas eternamente responsável por aquilo que tuítas'”, brincou.

Branco comparou a internet com rádio e tevê para mostrar a importância da nova ferramenta para o debate político. “Na tevê e no rádio, as pessoas só escutam e não podem falar. A internet qualifica a democracia por ter um caráter descentralizado. Não é mais um meio de comunicação de massa, mas um espaço de expressão individual”, disse. Na mesma linha, Caruso ressaltou a importância de saber usar as ferramentas que a rede oferece. “Muita gente diz que a internet ganhou as eleições para o Obama. Não foi a internet que ganhou as eleições para o Obama, foi ele que ganhou as eleições para ele mesmo, porque soube usar as ferramentas”, explicou.

Os dois mantiveram a cordialidade e o respeito apesar de algumas provocações. Em determinado momento, Caruso citou o blog http://www.gentequemente.org.br, criado pelo PSDB e denunciado pelo Ministério Público Eleitoral por fazer propaganda negativa contra Dilma e o presidente Lula. “O site foi criado em setembro de 2009 assumidamente pelo PSDB para colocar seus posicionamentos em relação a informações falsas que eram divulgadas na época”, disse o coordenador da campanha tucana. “Um desses boatos dizia que o PSDB iria privatizar tudo, até margem brasileira das Cataratas do Iguaçu”, afirmou. Segundo ele, a Justiça Eleitoral chegou a investigar o blog uma vez, mas não viu qualquer irregularidade. “Agora, o MP resolveu denunciar porque encontrou cinco comentários, feitos por visitantes do site, que considerou exagerados”. Ele disse que o episódio serve como aprendizado. “É tudo muito novo, está todo mundo aprendendo ainda”.

Provocado por uma pergunta da plateia, Branco se explicou sobre a associação que fez entre uma campanha comemorativo de 45 anos da Rede Globo com uma possível propaganda subliminar para o PSDB. A mensagem da propaganda trazia mensagens como “Todos queremos mais”, que remeteria ao slogan da campanha de Serra “O Brasil pode mais”. Enquanto Caruso desconversou, dizendo que quem se ofendeu com a acusação foram simpatizantes tucanos – não o PSDB propriamente -, Branco disse que, no fim das contas, “parece que tinha razão”, já que a Globo retirou o filme do ar.

Mas para ambos, mais do que um espaço para ataques, a internet deve servir como um campo de debates propositivos. Ambas as campanhas, segundo seus coordenadores, abrem espaço para a participação de internautas na discussão de propostas.

O jornalista Felipe Zmoginski, editor da revista Info que intermediou o encontro, explicou, ao fim da sessão, que a coordenação da campanha da pré-candidata Marina Silva (PV) também foi convidada a participar do debate, porém não pôde comparecer.

Read Full Post »

Read Full Post »

Publicada em 26/07/2010 às 23h10m

Leila Suwwan

SÃO PAULO – Após o terceiro empate técnico consecutivo nas recentes pesquisas de intenção de votos do Instituto Datafolha, os dois principais candidatos a presidente devem apostar na exposição no rádio e na televisão para desatar o nó. Segundo especialistas, este será o momento propício para José Serra (PSDB) fazer dois movimentos. O primeiro, nos cinco debates – quatro deles em rede de TV aberta -, quando o tucano deve tentar a vantagem direta dizendo-se mais competente. O segundo será tentar “desconstruir” o discurso de continuidade, encabeçado pelo presidente Lula no programa eleitoral gratuito da candidata petista, Dilma Rousseff.

A terceira colocada, Marina Silva (PV), que tem oscilado no patamar de 10% das intenções de voto, apostará na “conquista dos indiferentes”. Sua equipe tentará atrair eleitores que declaram voto no tucano ou na petista, mas de forma estimulada, sem forte convicção.

” No debate, que tem mais audiência, se um candidato a presidente ou a governador pisar no tomate, pode ser fatal “


De acordo com o cientista político e professor emérito da Universidade de Brasília David Fleischer, o eleitor médio é mais impactado pelos debates e inserções extemporâneas do que pelo longo e “enfadonho” horário gratuito:

– Debate é melhor que horário gratuito. No debate, que tem mais audiência, se um candidato a presidente ou a governador pisar no tomate, pode ser fatal. Lula já era ‘macaco velho’ quando debateu em 2002. Em 2006, só participou no segundo turno. Desta vez, se estiver presente, só será na plateia. Dilma terá de voar sozinha.

Fleischer avalia que a campanha de Serra deve apostar também nas inserções, que renderam resultado positivo no fim de junho, após se valer do tempo de seus aliados: DEM, PPS e PTB. Já Dilma, além do marketing positivo feito pelo presidente, precisa associar seu adversário aos pontos negativos da gestão Fernando Henrique Cardoso.

” Se a mensagem do adversário é forte, não se deve atacá-la diretamente “


Segundo a consultora política especializada em marketing digital Gil Castillo, o quente da eleição começa com a televisão, presente em 95% dos domicílios. Ela avalia que os oposicionistas devem focar na “desconstrução”, não no ataque direto:

– A presença do Lula, como apresentador e avalista de Dilma representa uma grande arma. Cabe à oposição estudar bem os discursos e desconstruí-los. Se a mensagem do adversário é forte, não se deve atacá-la diretamente.

Read Full Post »

Read Full Post »

Por Rui Maciel, do IDG Now!
Publicada em 07 de julho de 2010 às 19h21
Atualizada em 07 de julho de 2010 às 19h25

O que você (não) pode fazer na hora de propagar as idéias do seu candidato na Web. O TSE promete ficar de olho!

As eleições de 2010 serão as primeiras no Brasil onde a Internet desempenhará um papel essencial para os candidatos. Isso porque, além dos partidos, milhares de simpatizantes se mobilizarão para ajudar a eleger seus postulantes aos cargos públicos, seja via blog, via Twitter, via e-mail ou qualquer outra ferramenta de longo alcance.

“A Internet no Brasil é usada muito mais para propaganda negativa de candidatos, do que para mobilizar os eleitores ao debate e ao trabalho de campanha”, afirmou Alexandre Atheniense, professor do curso de pós-graduação de Direito Eleitoral da Escola Superior de Advocacia da OAB-SP e especialista em Direito Eletrônico . “Nos EUA, isso já é muito mais evoluído, já que o ambiente fomenta uma relação entre o candidato e o eleitor, até mesmo na questão de doações, onde a campanha que elegeu Barack Obama fez com muita eficiência e arrecadou grandes quantias”.

A opinião é compartilhada por Leandro Bissoli, advogado especialista em Direito Digital e sócio do Patrícia Peck Pinheiro Advogados. “Nas eleições norte-americanas na Web, quem combatia as difamações era o próprio eleitor. E ele também funcionava como um cabo eleitoral eficiente, mobilizando jovens e arrecadando fundos”. 

E, ao contrário do que muitos pensam, a Internet não será uma terra de ninguém nas eleições brasileiras. Em outras palavras, calúnias, injúrias e difamações contra adversários políticos já estão sendo devidamente monitorados pelos militantes e o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) – que regulamentou o uso da Web em campanhas a partir do projeto de lei 5984/09, de dezembro de 2009 – está sendo ágil na hora de punir os infratores. “A percepção de que a Internet será um território de vale-tudo nessas eleições é equivocada”, disse Alexandre. “O TSE, deixou bem claro o que será e o que não será permitido nas campanhas e vai punir os excessos com rapidez”.

A seguir, confira os cuidados que você deve ter na hora de apoiar seu candidato nos principais canais de comunicação na Internet:

BlogsConhecidos como um dos principais meios do internauta manifestar sua liberdade de expressão, os blogs terão vigilância rígida durante a campanha eleitoral. A começar pela eliminação do anonimato. “O TSE foi bastante enfático na nova lei quanto ao anonimato, que está totalmente proibido. A entidade não quer passar a falsa impressão que privilegia essa tática”, declarou Atheniense. “Logo, quem pretende criar uma página do gênero para apoiar a candidatura deve se identificar e responderá por qualquer excesso que ocorra no site e seja denunciado”.

Segundo o especialista, tanto os textos postados pelo dono do blog quanto os comentários que são feitos na página têm o mesmo peso na consideração do teor ofensivo.  Em outras palavras, o blogueiro pode ser multado e até mesmo ter o seu site retirado do ar. “O dono do blog pode ser considerado um responsável solidário pelo conteúdo publicado na página, já que ele deveria exercer a moderação e não o fez”, explica Alexandre.

Além disso, todo e qualquer tipo de site, que não o do partido, está proibido de inserir qualquer tipo de propaganda política – como, por exemplo, banners – seja em grandes portais de notícias, seja em blogs de qualquer tamanho.  No entanto, textos de endosso emitidos pelos partidos poderão ser publicados.

Twitter e outras redes sociais

A lei que regulamenta o uso da Internet nas eleições considera que as regras válidas para os blogs são válidas também para outras ferramentas de comunicação como o Twitter e também redes sociais. Em suma, o criador dentro de uma comunidade dentro do Facebook ou Orkut será responsável pelos textos publicados naquele espaço e também em moderar os comentários emitidos.

E o Twitter também entra nessa dança: “Ao contrário do que muitos pensam, o Twitter também não será uma terra sem-lei nessas eleições”, disse Alexandre. “É difícil imaginar que um candidato (no caso sua equipe de Web) não esteja monitorando tudo o que é dito acerca do seu nome, até para poder reagir aos ataques que considerar como calúnias”.

E-mails

As eleições 2010 serão as primeiras no Brasil a contar com uma lei específica de combate ao spam. Isso porque ela diz que os partidos podem criar um e-mail marketing, desde que qualquer mensagem eletrônica permita ao destinatário requerer seu descadastramento. E isso tem de ser cumprido em até 48 horas do recebimento da solicitação, sob pena de multa de até 30 mil reais ao partido e ou candidato. Além disso, a venda de mailing aos partidos está proibida.

O direito de resposta   

Com regras claras para meios de comunicação como TV, rádio e impressos, surgiu a dúvida de como o TSE implementará o direito de resposta a um candidato que se sinta prejudicado nos meios virtuais. Segundo Leandro Bissoli,  ainda não há uma jurisprudência para esse tipo de caso na Internet. “No Twitter, por exemplo, se você foi ofendido em 140 caracteres, você poderá replicar em 140 caracteres? Acredito que o TSE deva se pautar pelo o que ele já faz em outros meios de comunicação”, afirmou ele. “Ou seja, os direitos de resposta poderão ser postados em blogs e comunidades e ficar visíveis em partes de destaque dos sites durante um determinado tempo”.

Boca de urna virtual

Essa será uma outra vantagem da Web na hora do candidato aferir suas chances nas eleições. Proibida em meios físicos até 48 horas antes das eleições, os políticos poderão monitorar suas chances sem qualquer tipo de restrição na Internet. “A vantagem é que ele poderá fazer isso antes, durante e depois das votações, o que lhe dá uma perspectiva geral das suas chances”, afirmou Bissoli. 

Provedores

Outro ponto que Alexandre destaca na participação da Internet nessas eleições é o papel dos provedores.  Para ele, os provedores também precisarão tomar cuidado, já que também podem ser acionados pelo TSE como responsáveis solidários. “Os provedores terão de ser mais ágeis e se preocupar mais em monitorar os blogs”, declarou o especialista. “Não acredito que eles farão um monitoramento prévio dessas páginas, mas eles terão de ser bem ágeis na hora de retirar algum conteúdo considerado ofensivo pelo TSE. O ideal seria a realização de uma campanha que esclareça melhor os riscos de tais excessos, mas não acredito que isso vá ocorrer”.

Read Full Post »

PEDRO DIAS LEITE
editor-assistente de Brasil

Na primeira cena de “Arquitetos do Poder”, o marqueteiro Duda Mendonça define a essência de sua profissão: “Todo mundo tem seu lado bom e seu lado sombra, todo ser humano. Cabe a você, na campanha, ressaltar o lado bom e tentar neutralizar ao máximo o ruim”. No documentário, o produto final dessa espécie de lei de Duda aparece de forma clara, de os primórdios até as eleições mais recentes no país.

O filme de Vicente Ferraz e Alessandra Aldé mais conta a trajetória do marketing político nos últimos anos do que explica seu funcionamento. Alguns dos principais envolvidos nas campanhas desde a redemocratização prestam depoimentos sobre aquelas disputas, mas há poucas revelações sobre os bastidores das máquinas de eleger candidatos. Num dado momento, Fernando Barros, marqueteiro de FHC em 1994, explica a tarefa.

“Tinha um desafio básico, que era colocar um intelectual empedernido, paulista como ele, com cara de povo.” No final, o que definiu a disputa, como mostra o filme, foi o Plano Real. O trabalho vem desde 2005, explica Vicente Ferraz. O diretor optou por fazer uma contextualização histórica do marketing político no Brasil.

O ponto forte do filme reside no resgate de cenas e momentos históricos, os produzidos pelos marqueteiros e os que surgiram do amadorismo. Dos anos mais antigos, aparecem do clássico “Varre, varre vassourinha”, de Jânio Quadros, a Ulysses Guimarães, em 1974, dizendo: “Se você está descontente, seja coerente. Vote em você, votando no MDB”.

De um passado já distante, está lá Miriam Cordeiro (“Como posso apoiar um homem que ofereceu dinheiro para mim, para eu abortar.”), assim como a resposta do petista, na disputa de 1989.

Num momento menos dramático da campanha, o documentário refresca na memória o genial “Lula lá” e a “Rede Povo”, paródia da Globo que hoje em dia seria impensável. “Já que é pra escolher um adversário, vamos escolher logo o principal, que é a Globo”, diz Paulo de Tarso, marqueteiro petista. Na trajetória narrativa linear, também marcam presença o “medo” de Regina Duarte, em 2002, e as grávidas de Duda no comercial que ajudaram a definir o “Lulinha paz e amor”.

O mesmo Duda que conta como obrigou Lula a ler um texto contra a vontade para tentar amenizar resistências a pouca educação formal, num dos raros momentos em que o filme mostra o atual poder dos marqueteiros. No conjunto, o documentário traça um bom panorama de como o Brasil e o marketing político nacional evoluíram nas últimas décadas, ainda que muito permaneça “na sombra”.

ARQUITETOS DO PODER
Diretor: Vicente Ferraz, Alessandra Aldé
Quando: amanhã (15), às 21h, no Espaço Unibanco; sexta (16), às 15h, no Espaço Unibanco, em São Paulo; hoje, às 15h, no Unibanco Artplex, no Rio
Classificação: 14 anos

Fonte: folha online

Read Full Post »

Older Posts »